O julgamento começou no final do ano passado e teve decisão este ano.

Por 7 votos a 4, o STF considerou inconstitucional a incidência de contribuição previdenciária sobre o salário-maternidade, que é pago durante o período da licença.

Qual a consequência deste precedente?

É que, além da não arrecadação aos cofres públicos no valor de aproximadamente 1,3 bilhões de reais, confirmaram que a natureza jurídica dele não é salarial logo, não pode haver a tributação.

O entendimento que se tinha até o julgado de ontem,  o salário-maternidade tinha natureza remuneratória e, por isso, era tributado como um salário normal, incidindo a alíquota do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), de 8%, 9% ou 11%. Agora não é mais.

É possível que, com este novo entendimento, o INSS passe a adotar um procedimento diferente em relação ao recebimento do salário maternidade das empregadas, afinal, atualmente ele é feito através do empregador e por de folha de pagamento, e foi isso que gerou o debate.

Esta possibilidade decorre da posição de divergência do julgado:”Sobre o salário-maternidade, recai a contribuição paga pela própria empregada. Assim, seria incongruente que a contribuição previdenciária patronal incidisse sobre base econômica mais restrita do que aquela sobre a qual incide a contribuição devida pelas empregadas, especialmente se considerada sua destinação ao custeio da Seguridade Social”, disse o Min. Alexandre de Morais.

Vamos acompanhar as mudanças que surgirão.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s